Por que não teve #Somos_Somália

( ou sobre a seletividade de nossa comoção )

Sábado, 14 de outubro. O mais sangrento atentado terrorista registrado na Somalia desde o começo da década. Até a tarde da segunda-feira, dia 16, somavam-se 315 mortos e mais 300 feridos. Isso sem contar os 39 mortos em ataque realizado em fevereiro deste ano. E outras 30 vítimas fatais em fevereiro do ano passado. E 29 mais em abril de 2013. E 33 mortos em janeiro de 2012. E 82 vítimas fatais em outubro de 2011. E outras 65 em dois ataques em 2010. E, em nenhum desses casos, teve #Somos_Somalia.

Mas teve forte repercussão o caso do atirador de Los Angeles, e muita solidarização dos internautas brasileiros com famílias e amigos dos 58 mortos e quase 500 feridos, vítimas de Stephen Paddock. No horrível caso do atirador de Los Angeles, sabemos até seu nome. No caso da Somalia, nenhum grupo sequer reivindicou sua autoria.

O ataque à sede do jornal satírico francês Charlie Hebdo – #JeSuisCharlie – contabilizou 12 mortos e 11 feridos.

No caso do caminhão que invadiu uma feira natalina em Berlim no ano passado, foram 12 mortos e 48 feridos. E uma grande onda de comoção e solidarização nas redes sociais.

A reação do internauta não foi diferente nos casos similares de ataques a pedestres na França e na Inglaterra, ou no ataque em Manchester, durante show da Ariana Grande.

O atentado na Somalia foi o segundo mais sangrento já registrado, ficando atrás apenas do 11 de setembro, quando 2.996 pessoas morreram e outras 6.291 ficaram feridas. Em questão de minutos, o ataque às torres gêmeas vitimou o equivalente a 19 dias de violência urbana no Brasil. Mas as vítimas da violência urbana brasileira não são lembradas em toda sua magnitude. Viram notícia, claro, mas normalmente com viés político ou sensacionalista. E usamos nossos mortos para defender bandeiras partidárias ou alimentar divisões de classes ou ideologias.

Postamos nossa indignação por não ter #Somos_Somalia. Mas também não tem #Somos_Rocinha. Tampouco #Somos_Natal ou #Somos_Altamira, cidades brasileiras líderes no ranking da violência urbana. E quer saber o quê? Mesmo se postássemos essas hashtags todas, nada disso faria a menor diferença.

Hashtags nada mais representam que nossa virtual solidarização com os outros. Nossos profundos sentimentos de pesar, que correm o mundo via web, mas não mudam o mundo de ninguém. Hashtags servem para um único motivo: mostrar ao mundo que você se importa, ainda que nada de concreto derive desse seu repost da notícia do jornal.

Quer aparecer bem na foto? #vegas está super na moda! Quer ajudar de verdade? Dá um google em entidades que proveem ajuda humanitária aos somalianos. Médicos sem Fronteira está lá. A Cruz Vermelha Internacional também. A Organização Humanitária da Igreja Evangélica Alemã também. Entre em contato. Veja como você pode ajudar. E então ajude.

E se quiser postar algo sobre o ataque na Somalia, aprofunde-se! Você vai ver que a situação vai muito além dos mortos nesse atentado! A vida dos somalianos – assim como a de muitos brasileiros – é como uma visita ao inferno! E tem muita entidade tentando ajudar, mas eles precisam de gente que esteja disposta a doar tempo e dinheiro para diminuir o sofrimento nessas comunidades.

E se você descobrir seu propósito nessa coisa toda, se realmente se engajar na causa, tem um “estágio avançado” nessa jornada: o engajamento político. Porque ajuda humanitária é importante, principalmente em momentos como este, de pós-atentado. Mas a verdadeira mudança vem a longo prazo, e não vem de graça, e precisa de muita gente repostando os hashtags corretos, para incomodar quem precisa, de fato, ser incomodado. E saiba que aquele seu amigo virtual que posta #vegas e ignora #Somos_Somalia, ele não faz a menor diferença nessa história toda – nem para Las Vegas, muito menos para a Rocinha, Natal, Altamira, Síria, Paquistão, Nigéria ou Somalia.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.